Médias no Enem foram as mais baixas desde 2009

Médias no Enem foram as mais baixas desde 2009


O Ministério de Educação (MEC) divulgou nessa quinta-feira, dia 18, a consulta para as notas do Enem 2017. O boletim pode ser acessado na Página do Participante, mediante CPF e senha do aluno. Caso o estudante tenha sido treineiro, seu boletim estará disponível em 19 de março, assim como as vistas pedagógicas da redação.

Foi para a 2ª fase de Fuvest? Você tem 50% de desconto no CPV. Quer tentar 100%? Inscreva-se no Exame de Bolsa

Além da consulta ao boletim, o MEC divulgou os principais índices, como maior nota, menor nota e média por disciplina. De acordo com dados levantados no Inep, no MEC e na Meritt, as médias do Enem 2017 foram as mais baixas desde 2009, em todas as disciplinas (confira a evolução no gráfico abaixo). A prova de Matemática apresentou a maior distância entre a Nota Máxima e a Média: 475,9 pontos.

Leia também: Saiba como cinco universidades públicas de São Paulo usam a nota do Enem

Em Redação, o tema “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil” teve 309.157 notas Zero contra 53 notas 1000. Os motivos das desclassificações de textos foram fuga ao tema (5,01% do total de redações produzidas), prova em branco (0,80%), texto insuficiente (0,33%), parte desconectada (0,17%), não atendimento ao tipo textual (0,11%), cópia do texto motivador (0,09%) e outros motivos (0,03%).

A evolução das notas de Redação mostra que, a cada ano, menos alunos conseguem atingir a nota máxima. O Manual de Redação do Enem, que estabelece os atuais critérios de pontuação, foi criado em 2011 e aplicado a partir de 2012. Em 2013, após a divulgação de textos com trechos desconectados, como receita de macarrão instantâneo e hino de time de futebol, houve um endurecimento na aplicação das regras.

O Enem 2017 foi aplicado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) nos dias 5 e 12 de novembro de 2017. Essa edição teve 7.603.290 de inscritos e uma abstenção de 32%.

 

+ There are no comments

Add yours